Em uma Salina

Morremos todos sozinhos

Somos tolos malditos

expurgos… as feridas de Jesus

Peço a elas perdão para me ferir

Fui Judas e Juiz, te fiz sofrer te fiz sorrir

Me fez viver. Me deu o sobreviver

Mas quero ir.

E quero ir embora

Não sentir

Não ouvir os meu sentidos

Não gritas, ó salinas…

O vento passa e levanta o sal

resseca o peito dos aflitos

Cristo morreu em um moinho

Rodando junto com o mundo

E comigo morre todo dia

Peço a morte a cada segundo

Furo o meu pulso e lá dentro não tem sangue

Tem uma água fria… Gelada…

Essa água vem do mar

E o mar sou eu… Gritando sozinho de dor

Gemendo o escárnio

Rindo pra quem me detesta

Sendo contrário com quem me contesta

Sou o palhaço do meu circo que rí sozinho

Monossílabo… Rouco

Aflito. Aquele ruído morto da faca no porco

Você me fez viver e morrer

Em uma salina

Anúncios

~ por Água para Plantas em setembro 19, 2018.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

 
%d blogueiros gostam disto: