Sonhos…

•julho 7, 2019 • Deixe um comentário

Anúncios

3 Dias

•julho 3, 2019 • Deixe um comentário


Eu.

Que sai da tua costela

Eu

Que quero teu sobrenome

Eu

Me umbilicar com você

Eu

Que quero um filho teu

Eu

Que quero, quero e quero

Agora

Eu

Espero

Mais um pouco…

Das horas

dos Segundos.

Eu

que te amo

E não conto

Porque não quero

Que meu sonho

Acorde

Eu

que tenho e

muito te quero

Vivo

Espero

Desejo

Sinto e observo

Como mudei

Quando encontrei

O sonho que sonhei

Dentro de você serei

Eu

Que mudei

Me catequizei

E até agora

Chorei

E

espero

Você

Que

Sempre

Esperei.

Pedra e Argila

•junho 23, 2019 • Deixe um comentário

Mateus Cap. 3. 9 e não presumais de vós mesmos, dizendo: Temos por pai a Abraão; porque eu vos digo que mesmo destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão.

Escrita.

Exercício único a qual pratico uma terapia interna. Enquanto escrevo ouço pelo youtube o maravilhoso album cristão, “Quem deseja ser criança” da Comunidade S8, e nesse caminho eu tenho refletido sobre minha mudança. Sobre meus sonhos que estão sendo compartilhados com uma promessa do Senhor.

Escrita.

Terapia tal que me perco, ma acho e me desfaço muitas vezes, me recomponho no meio dos meus escombros e acho vida e morte dentro de mim. Um mosto que me edifica e me transforma dentro do que era, do que serei e posso ser, em um universo amplo, ambíguo e oblíquo dentro de uma alma inquieta, que não desistiu de amar, de ter os seus sonhos. Criatura de sono leve, que desperta um homem a escrever e move, dissolve pedras a formar argila e a reconstruir ao mesmo tempo tudo que era inicialmente. Essencialmente a pedra que deixa de sê-la para sê-la de novo.

Esse versículo, (Mateus Cap. 3. 9) recita e passa a parte do que eu sou agora, pois antes destruído, descomposto, desencorajado de ter sonhos, tolido… Ainda lendo como um rascunho a parte do que eu sou tentando descabê-la como um gato se acomodando em uma nova caixa de dormir, mas não quero mais dormir. Não posso presumir sacralidade a nada que fiz, pois o que fiz ou farei nada me trará a graça, nada me colocará aos pés daquele que é Eterno. Sou uma pedra que foi feita ascendência de Abraão.

Nunca refleti tanto sobre mim, e nunca quis tanto uma mudança como agora quero. Quero estar pronto para os meu sonhos, quero poder voar, mas tal voo tem sido internamente um exercício interno, de introspecção em orações, desconstruções evangélicas, vendo o meu Cristo tridimensionalmente como uma escultura que volta a ser esculpida dentro do meu coração, e nessa nova caminhada eu confesso: A minha vida nunca foi tão difícil como está sendo agora. Encontro comigo esperando o amor que irá chegar. Encontro comigo esperando o que eu não posso mais esperar. Encontro comigo me desejando me encontrar, mas acima de tudo encontro comigo. Hoje eu estou comigo, hoje a noite eu me espero, junto com o horário do antibiótico da minha mãe com paciência esse eu novo que não me pertencia. A essa dupla tendinite que eu vou carregar comigo por algum tempo ou pro resto da minha vida, mas encontro quem eu queria encontrar. O meu sonho irá chegar em breve. A minha vida mudará em breve. O meu encontro será definitivo quando eu te encontrar e como esse eu, novo e diferente te espera, e antes eu, que não conseguia esperar, espero.

Em casa apreciando o que eu antes apreciava, há muito tempo atrás; A adoração a Cristo.

Este mesmo que agora se apresenta místico. Diverso em seu corpo, em seus rituais, em seus costumes e misteriosamente aceito, como Paulo fala em Gálatas.

Em apreciação a cada missa. Em comunhão a cada sacramento, a cada virtude e descoberta desse mergulhar espiritual único que tenho exercido uma sinceridade interna, onde visito meus erros e encontro graça e presente no momento em que sinto algo mudar internamente, sem me mudar fisicamente muito, não nesse agora. Me sinto aninhado por esse Cristo único agora para mim reapresentado e observado em seus sacramentos, nos mistérios ditos e renovados pelo Padre Virgílio, destruo visões internas, que são quebradas como o entulho de frente que eu coloquei para não alagar a saída do carro e do portão de entrada da casa da minha mãe. As pedras que outrora eu quebrei, se misturaram com a terra lodosa em lateral a enorme e linda Aroeira de frente ao portão de saída de casa. As mesmas não são mais pedras, compõem um caminho quase plano, onde o carro nem mais sente a diferença do desnível ao passar. Antes era pedra essencialmente agora me sinto caminho e parte de algo que será caminho a outras pessoas. Me sinto liberto de toda a imutabilidade de ser pedra e achar que morreria com meus limos, encrostado em indecisões em rumores de pragas e maldições, vícios e perigos noturnos onde somos tentados. Eu não merecia ser chamado ou colocado na descendência de Abraão no meio disso, eu revejo a minha jornada com Ele.

Ele me guiou a conhecê-lo. Ele me guiou a perpetuá-lo por onde estive na Comunidade S8, e depois me guiou a questioná-lo, permitiu que eu enfiasse os dedos nas suas chagas e pudesse gradualmente sair de uma de suas congregações e acordar um dia em uma praia, na Restinga de Marambaia, ao lado de Dico, Pablo, Renan, Claudia e outros irmãos, no meio de hippies e depois acordar em um chão frio em Senador Camará, louvando o seu nome até os raiares primeiros do dia, o questionando nas cartas escatológicas para os Corintianos, fomentando duas congregações a orarem contra as nossas reuniões, e de lá conhecer a mãe de minha filha, mas antes de conhecê-la, apascentei a sua família, e a guiei por um caminho não ortodoxo, o caminho que sigo, o caminho da teologia da libertação, onde meu Amado Cristo congrega eternamente com todos àqueles que o assumem como Caminho, Verdade e Vida.

Cristo que me fez a negá-lo por mais de três vezes, sem mesmo ter a honra de Pedro, a me fazer voltar pra Umbanda, e lá usar a sua Graça e Misericórdia a mover o oculto de sua permissão espiritual a trazer redenção e cura, alento para as pessoas, e renová-las sobre a tutela de outras pessoas que também comporão junto comigo o coro dos eleitos, na hora da exaltação e da destruição da roldana, sansara que por ele finda como ponto final de sacrifício, como última expiação de nossos pecados.

O mesmo Cristo que me fez voltar para Igreja Secular, e que me fez negá-la de novo, por conta da mesma prostituição que me fazia vê-lo entre teologias de prosperidade, pois a que mais amo e sigo se chama de teologia da libertação; cuja única é a que irá me salvar e que salvará a todos. Cristo vivo que me recordo e me recubro a olhá-lo como no fundamento mosaico, que Ele venha sempre, e tire o veneno do meu coração.

O mesmo Cristo que me fez voltar para a igreja orgânica, congregação abençoada pela unção na vida de Juan Lichiard, cujo amor de Cristo trilhará o seu caminho e por ele Deus fará obras e maravilhas, junto com os meus amados irmãos feitos pelo Senhor, me tornando semelhante tanto eles como a mim, irmão em Cristo e com Cristo.

Agora esse mesmo funda outros mandamentos e me ordena que eu siga o sino e a teologia católica, para que eu possa amá-lo em todas as dimensões, que outrora estudei com irmãos Testemunhas de Jeová, ora estudei com Adventistas e se levantará também meu corpo a qualquer lado que se faça milagres pelo início de Sua Oração que clama ao “Pai nosso que estás no céu”. E Deus me deu como promessa, nesse fundamento, uma mulher a qual serei como “Cristo que deu a sua vida pela Igreja”, e na hora que é de seu mister, fará com que eu ou ela se parta, a novas dimensões ou a novos cuidados. A rumos que poderão nos levar a outras riquezas ocultas, como a eternidade, em promessa de cada coroa que nos será dada como recompensa. A mesma mulher que espero, que é essa mão que Deus me colocou a despertar e a me fazer melhor, a ver que as coisas podem mudar, mas essencialmente dentro de todos jorra uma bondade que vem do Pai.

Mulher Promessa do Senhor, que virá, me trará paz, um filho e uma nova vida não importando onde estejamos, pois foi separada pra mim e eu fui separado para ela, por misericórdia do Seu Amor inexplicável por mim.

Mas sou uma Pedra que fui feito pela misericórdia ascendência de Abraão. Entrei nessa permissão sagrada, e me permito não ser mais uma pedra e sim ser uma argila constantemente molhada pelas águas do espirito santo, eternamente moldado por Ele, conforme tua vontade, no rumo de suas águas que me levarão a um lugar onde Ele irá me por. E a Ele eu darei glórias e de todas as virtudes me serão postas para compor o seu reino. A sua verdade, quando as estações e efemeridades de todas as coisas físicas passarão.

À Rosa de Saron, que morreu por todos:

Tal se formou como o Seu Corpo, sangrando, fincado como no fundamento de moisés, a se desenrolar a bola de espinhos posta em sua cabeça e qual tomou o corpo, completamente rubro e enrolado por estes mesmos espinhos, que de longe, nós, que os castigamos com nossas atitudes, fomos remidos e somos diariamente, nessa longínqua visão conforme o fundamento mosaico, é a a sua desfiguração vista como um belo mistério pelo salmista, pela amada Igreja.

A mesma que subirá e o louvará para sempre.

Mas nunca me esquecerei, que fui pedra e transformado como à ascendência de Abraão, não importando onde esteja, desde que seja aclamado: Abba Pai.

Números 21:8;9 Disse o SENHOR a Moisés: Faze uma serpente abrasadora, põe-na sobre uma haste, e será que todo mordido que a mirar viverá.Fez Moisés uma serpente de bronze e a pôs sobre uma haste; sendo alguém mordido por alguma serpente, se olhava para a de bronze, sarava.
João 3; 13-15 …Ninguém jamais subiu ao céu, a não ser Aquele que veio do céu: o Filho do homem que está no céu. Assim como Moisés levantou a serpente no deserto,desse mesmo modo é necessário que o Filho do homem seja levantado,para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

Eu sou a rosa de Sarom, o lírio dos vales.
Qual o lírio entre os espinhos, tal é meu amor entre as filhas.
Qual a macieira entre as árvores do bosque, tal é o meu amado entre os filhos;desejo muito a sua sombra, e debaixo dela me assento;e o seu fruto é doce ao meu paladar.
Levou-me à casa do banquete, e o seu estandarte sobre mim era o amor.
Sustentai-me com passas, confortai-me com maçãs, porque desfaleço de amor.
A sua mão esquerda esteja debaixo da minha cabeça, e a sua mão direita me abrace.
Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém, pelas gazelas e cervas do campo, que não acordeis nem desperteis o meu amor, até que queira.
Esta é a voz do meu amado; ei-lo aí, que já vem saltando sobre os montes, pulando sobre os outeiros.
O meu amado é semelhante ao gamo, ou ao filho do veado; eis que está detrás da nossa parede, olhando pelas janelas, espreitando pelas grades.
O meu amado fala e me diz: Levanta-te, meu amor, formosa minha, e vem.
Porque eis que passou o inverno; a chuva cessou, e se foi;
Aparecem as flores na terra, o tempo de cantar chega, e a voz da rola ouve-se em nossa terra.
A figueira já deu os seus figos verdes, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, meu amor, formosa minha, e vem.
Pomba minha, que andas pelas fendas das penhas, no oculto das ladeiras, mostra-me a tua face, faze-me ouvir a tua voz, porque a tua voz é doce, e a tua face graciosa.
Apanhai-nos as raposas, as raposinhas, que fazem mal às vinhas, porque as nossas vinhas estão em flor.
O meu amado é meu, e eu sou dele; ele apascenta o seu rebanho entre os lírios.
Até que refresque o dia, e fujam as sombras, volta, amado meu; faze-te semelhante ao gamo ou ao filho dos veados sobre os montes de Beter.

Cânticos 2:1-17

Sabendo que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, temos também crido em Jesus Cristo, para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei; porquanto pelas obras da lei nenhuma carne será justificada.
Pois, se nós, que procuramos ser justificados em Cristo, nós mesmos também somos achados pecadores, é porventura Cristo ministro do pecado? De maneira nenhuma.
Porque, se torno a edificar aquilo que destruí, constituo-me a mim mesmo transgressor.
Porque eu, pela lei, estou morto para a lei, para viver para Deus.
Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.

Gálatas 2:16-20

Protegido: P-3;r|¤|$

•junho 2, 2019 • Digite sua senha para ver os comentários.

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Porque ela pediu…

•maio 29, 2019 • Deixe um comentário


Uma certa manhã, ela me escreveu algo que tenho quase certeza que não escreveu pra ninguém.

Escreveu pra mim uma coisa muito sacana Intimamente tão sacana como a soma de dedos, vestido e cinema. Algo que seria impossível não causar uma ereção e causou. Uma daquelas de dar inveja a qualquer senhor e foi tão violenta que eu tive que me “alivar”

Ela achou que eu não dei tamanha importância, mas guardei tudo que escreveu – copiei, aliás – ela me pediu que eu escrevesse algo safado, algo bem ordinário e cachorro… Sexie e bem safado, então eu decidi escrever como ela pediu e vou ser o mais sacana possível…



Até o bagaço…

Quero te comer até o bagaço

Lamber e te devorar com fome

Com uma eterna fome de fruta

Daquelas de devorar mil mangas

E lambê-las e comerte

por todas as suas mil beiradas

e mesmo que não passemos

juntos, o dia dos namorados

minha NAMORADA.

Eu quero

Sorver tudo que lhe transborda

Em líquidos olhares, em angulos

Pois o que lhe transborda me preenche

Em sonhos, sonhos…

Você, encontro sua mente.

E mesmo a distância,

pelo que me preenches,

a mesma,

traz pouca relevância.

Mas nos sonhos

Essas breves pastilhas de descanso

Que me fazem esquecer a distancia

Do meu ao teu endereço

Os outros ao redor, o Porto

O andar pesado ao Quali Preço

A porta. A portaria. Princess Park

Eu moído e O moinho.

Mesmo se fosse em Marte

Me cerco de resignação

Crio Confiança e também

Desejo. Fome. Fonte

Insone escrevo

e te como e como,

E comerei mais como

quem nunca lhe comes,

mas, mais ainda por dentro.

Quando quero que saibas

que posso ou poderia

ser apenas “um babaca” pros outros

esperando um próximo ônibus

Com uma caixa de bombons a te dar

mas…

Eu sou uma pessoa bem maior

Lá dentro do seu olhar…

Ultrapassando essas retinas ametista

Margeando Açores, Braga, Aveiros

Viseus… No tenro esperar

de um dia ser só você e eu

andando por qualquer lugar

deixaria você me levar

para um lugar em que teu

fosse meu.

E que esse meu teu

também fosse eu

e eu tendo alguém como seu

Estático e parado no seu olhar

sem precisar buscar incertezas

Em bares, cantares, igrejas

Praias vazias de gente seca

Gente salina de coisas desertas

Pensando mal a mesma proporção de sal

A mesma que eu só te espera

No caminho de que lhe deseja

Por eras, e eras e eras…

Volta. Ainda é a velha reta

Que comerei de lambuja

E

Te comendo como esses senhores abaixo

Literalmente, até o bagaço.



Mas quem terá sempre a última palavra é ela. Sim, ela é dessas e eu quero deixar ela ser ela.


Pisca-Pisca.

•maio 27, 2019 • Deixe um comentário

Queria ser regado por você

Só um pouquinho

Pra eu brotar de novo…

Ser chamado mais de pai

Ser procurado mais

Solicitado.

Anunciado.

Lembrado.

Assim como…

Só pegava no sono

comigo

Vendo Raisculmiscal

Dançando Libelo.

Lembro dos seus cachinhos

Fios de telefone pendurados

Quando brincávamos de lutinhas

Quanda fazia bolinhos feitos de barro

Era um jantar feito pra mim

E pra vovó…

Lembro quando você era a minha

Minha princesinha…

A luizinha que não me faz

desistir.

Será que foi você que decidiu sumir?

Será que estão te obrigando a sumir?

Eu não sei.

Só sei que sinto

falta da minha filhinha.

Pra vc Beta…

•maio 17, 2019 • Deixe um comentário